Quero que sejas a mão à volta da minha garganta

Como a minha mãe diria, fez olhos de carneiro mal morto. Como quem pedincha misericórdia. Como que a clamar por pau firme. Como que a mendigar por foda feia. Como que a implorar por queca grosseira.


Disse-me ela à entrada do motel: "Quero que sejas a mão à volta da minha garganta. Quero que sejas a voz de comando no meu ouvido." Não era uma reivindicação. Não. Era súplica. Não se notava qualquer ponto de exclamação no fim de cada frase. Toda ela tremia de medo. Não estava certa de que estava a dizer a coisa certa. Parecia que tinha ensaiado a coisa antes do encontro. Parecia coisa sacada de uma novela manhosa.

Não fui capaz. Não sou capaz. Não sou uma besta. Sou bestial, sim, e nunca percebi porque é que não há mais mulheres a fazer fila à porta do meu quarto. Sim, gosto de comer cona. Sim, sou bom a comer cona. Mas não gosto desta espécie de prece. Tiram-me a tusa. Do que eu gosto verdadeiramente é da sensação de que aquela berlaitada será a melhor de sempre.

Esta não foi a melhor de sempre. Mas foi a melhor da semana. E não foi preciso agarrá-la pelo pescoço.

10 comments

Feia 16 de junho de 2017 às 07:44

Ainda não tiveste o melhor pescoço p apertar, ahahah. Bjs

Gil António 16 de junho de 2017 às 10:51

Apertar o pescoço não será certamente o melhor das fodas. Ou será uma foda apertar o pescoço?
Abraço

António 16 de junho de 2017 às 14:43

conheces algum bom pescoço para apertar feia?

António 16 de junho de 2017 às 14:43

fodido, fodido é pedinchar que lhe aperte o pescoço.

Feia 16 de junho de 2017 às 15:20

O melhor de todos!

António 16 de junho de 2017 às 15:33

só vendo feia. só vendo...

chocolícia 16 de junho de 2017 às 16:37

Também no me gusta de ter a garganta apertada, vai que o amante se empolga e...

António 16 de junho de 2017 às 17:01

e não larga? só tens que escolher bem o amante

Anginha Sexy 16 de junho de 2017 às 18:30

Tu comes tudo, hehhehe o que foi que lhe colocaste na garganta? A Mão ou.....Outra coisa mais "satisfatória? Hhehhhe

beijoos

António 17 de junho de 2017 às 11:41

nem tudo anjinha. quase tudo... enfiei-lhe na garganta o que ela merecia: o valente nabo. aliás, o nabo andou a passear pelo corpo da pedinchona

Enviar um comentário