O que é bom é para partilhar

Não sei absolutamente nada dela. Mas não preciso de muito para ficar com o mangalho em riste. Como sabem, o meu objectivo na vida é pôr a chucha na chota. Seja ela qual fôr. Também anseio por ter a brochada que mereço. E passear a língua pelos arrebaldes da chona. E terminar o dia com uma boa escarafunchadela do grelo.

Hoje, recebi um email prometedor:
"Partilha se tens fantasias sexuais com anónimas."


Partilhado.
Respondi-lhe: "Não é que esteja sempre de pau feito. Mas essa foto é sexy pa'caralho!"

Hoje é dia de dar coça ao coiso ou coisa #31

Choro sempre que vejo pachachas a acumularem-se à minha porta. Todas elas querem pinar, mas, com a idade, vou demorando cada vez mais tempo no pinanço. Por isso, há umas quantas que se vão entretendo com o que têm mais à mão...

Eros dixit #29

Oferecida procura submisso

A sôtora, que recita Platão enquanto se delicia com potentes pirilaus, decidiu enviar-me uma lista do que anda à procura:
Gosto de dar nomes fofinhos aos gajos, para eles se sentirem desejados.
Gosto de gajos tímidos que me agarram pela mão quando tento ir embora.
Gosto de gajos que pedem colinho para que eu lhes passe a mão pelo pêlo.
Gosto de gajos que gemem na minha boca quando os beijo.
Gosto de gajos que se agarram ao cobertor quando estão tristes.
Gosto de gajos que ficam corados quando lhes sussurro coisas bonitas ao ouvido.
Gosto de gajos que que enterram a cabeça na almofada para abafar os gemidos.

Respondi-lhe: "Enganaste-te no gajo! O que te vale é que gosto de gajas oferecidas." Felizmente, as oferecidas também gostam de mim.

Hoje é dia de dar coça ao coiso ou coisa #30

"Eu nasci pronta", respondeu-me, refastelada no sofá. Finalmente, afastou as cuecas encharcadas e enfiou dois dedos naquela cona macia, sem uma ponta de pentelhos. De facto, não estava a brincar: queria foder, mas só o faria à sua maneira...

Conversas da sarjeta #14

- Porque é que é sempre a gaja boa que se ajoelha e faz o trabalho duro enquanto o gajo fica parado a gemer e a vir-se que nem um perdido? Porque é que é sempre a mulher a fazer um broche a um homem num beco?
- Mas então o que é que gostavas de ver?
- Sei lá! Um gajo de joelhos, para variar. Pelo menos uma vez, gostava de ver um tipo a ser empurrado para um canto escuro...
- Eu gostava de comer a tua cona num beco.
- Tu comes qualquer coisinha num beco.
- Anda comigo!
- Está escuro aqui...
- Abre as pernas!

Eros dixit #28

Hoje é dia de dar coça ao coiso ou coisa #29

Desta vez, foi contra o seu instinto e seguiu a sabedoria popular: quem tem sede, vai à fonte.

Curtas da semana #8

Disseram-me que o cérebro é o mais poderoso órgão sexual que temos. Por isso, quando percebi que uma mulher olhava fixamente para a minha cabeça, comentei com a minha mulher: "Aquela está a abusar de mim!"

Recebi o melhor convite do século para pinar. Dizia assim: "Preciso do teu caralho! Não, não quero o teu caralho, porque queremos sempre qualquer coisinha na vida e o teu caralho  não é qualquer coisinha. A verdade é que PRECISO do teu caralho!"

Gosto de foder a boca de uma gaja que só diz disparates. É uma questão de equilíbrio: enfio mel onde sai merda. Já nas gajas que não dizem disparates enfio mel onde verdadeiramente sai merda: no cu.

Há uns dias dei uma valente trancada numa professora universitária. É feia como os trovões, não tem ponta por onde se lhe pegue, mas fez-me explodir enquanto me explicava a alegoria da caverna de Platão. Ainda com o pau enfiado no traseiro, sussurrou: "Se eu soubesse que apanhar no cu era tão bom..." Terminei a frase por ela: "Terias mandado Platão apanhar na caverna?"

A sôtora não ficou satisfeita. E como é uma gaja do norte, pediu-me para a encostar contra a parede e dar-lhe com o navo na cuona.

Quero que sejas a mão à volta da minha garganta

Como a minha mãe diria, fez olhos de carneiro mal morto. Como quem pedincha misericórdia. Como que a clamar por pau firme. Como que a mendigar por foda feia. Como que a implorar por queca grosseira.


Disse-me ela à entrada do motel: "Quero que sejas a mão à volta da minha garganta. Quero que sejas a voz de comando no meu ouvido." Não era uma reivindicação. Não. Era súplica. Não se notava qualquer ponto de exclamação no fim de cada frase. Toda ela tremia de medo. Não estava certa de que estava a dizer a coisa certa. Parecia que tinha ensaiado a coisa antes do encontro. Parecia coisa sacada de uma novela manhosa.

Não fui capaz. Não sou capaz. Não sou uma besta. Sou bestial, sim, e nunca percebi porque é que não há mais mulheres a fazer fila à porta do meu quarto. Sim, gosto de comer cona. Sim, sou bom a comer cona. Mas não gosto desta espécie de prece. Tiram-me a tusa. Do que eu gosto verdadeiramente é da sensação de que aquela berlaitada será a melhor de sempre.

Esta não foi a melhor de sempre. Mas foi a melhor da semana. E não foi preciso agarrá-la pelo pescoço.

Conversas da sarjeta #13

- Hoje quero portar-me mal.
- Com quem? Comigo ou com ele?
- Com os dois.
- És uma coninhas. Não aguentas com dois caralhos dentro de ti. É apenas uma gaja que precisa de ser fodida como deve ser, não és?
- Deixa-me em paz! Juro que sou uma boa menina.
- Cala-te! Despe-te a abre as pernas. Badalhocas como tu só servem para chupar paus.
- Foda-se! És um sacana. Abusem de mim! Fodam-me à bruta!
- Vais apanhar com duas pichas duras nessa cara. É o que acontece quando tipas como tu gostam de provocar.
- És tão mau!
- Mau demais?
- Nunca! Uma delícia!

Hoje é dia de dar coça ao coiso ou coisa #28

É traição se apenas a observasse a coçá-la? Talvez não. E se batesse uma enquanto ela se masturbava? Já estaremos perto da coisa... E se me viesse nas mamas dela enquanto ela pingava nas cuecas?

Eros dixit #27