O que é bom é para partilhar

Não sei absolutamente nada dela. Mas não preciso de muito para ficar com o mangalho em riste. Como sabem, o meu objectivo na vida é pôr a chucha na chota. Seja ela qual fôr. Também anseio por ter a brochada que mereço. E passear a língua pelos arrebaldes da chona. E terminar o dia com uma boa escarafunchadela do grelo.

Hoje, recebi um email prometedor:
"Partilha se tens fantasias sexuais com anónimas."


Partilhado.
Respondi-lhe: "Não é que esteja sempre de pau feito. Mas essa foto é sexy pa'caralho!"

Hoje é dia de dar coça ao coiso ou coisa #31

Choro sempre que vejo pachachas a acumularem-se à minha porta. Todas elas querem pinar, mas, com a idade, vou demorando cada vez mais tempo no pinanço. Por isso, há umas quantas que se vão entretendo com o que têm mais à mão...

Eros dixit #29

Oferecida procura submisso

A sôtora, que recita Platão enquanto se delicia com potentes pirilaus, decidiu enviar-me uma lista do que anda à procura:
Gosto de dar nomes fofinhos aos gajos, para eles se sentirem desejados.
Gosto de gajos tímidos que me agarram pela mão quando tento ir embora.
Gosto de gajos que pedem colinho para que eu lhes passe a mão pelo pêlo.
Gosto de gajos que gemem na minha boca quando os beijo.
Gosto de gajos que se agarram ao cobertor quando estão tristes.
Gosto de gajos que ficam corados quando lhes sussurro coisas bonitas ao ouvido.
Gosto de gajos que que enterram a cabeça na almofada para abafar os gemidos.

Respondi-lhe: "Enganaste-te no gajo! O que te vale é que gosto de gajas oferecidas." Felizmente, as oferecidas também gostam de mim.

Hoje é dia de dar coça ao coiso ou coisa #30

"Eu nasci pronta", respondeu-me, refastelada no sofá. Finalmente, afastou as cuecas encharcadas e enfiou dois dedos naquela cona macia, sem uma ponta de pentelhos. De facto, não estava a brincar: queria foder, mas só o faria à sua maneira...

Conversas da sarjeta #14

- Porque é que é sempre a gaja boa que se ajoelha e faz o trabalho duro enquanto o gajo fica parado a gemer e a vir-se que nem um perdido? Porque é que é sempre a mulher a fazer um broche a um homem num beco?
- Mas então o que é que gostavas de ver?
- Sei lá! Um gajo de joelhos, para variar. Pelo menos uma vez, gostava de ver um tipo a ser empurrado para um canto escuro...
- Eu gostava de comer a tua cona num beco.
- Tu comes qualquer coisinha num beco.
- Anda comigo!
- Está escuro aqui...
- Abre as pernas!

Eros dixit #28

Hoje é dia de dar coça ao coiso ou coisa #29

Desta vez, foi contra o seu instinto e seguiu a sabedoria popular: quem tem sede, vai à fonte.

Curtas da semana #8

Disseram-me que o cérebro é o mais poderoso órgão sexual que temos. Por isso, quando percebi que uma mulher olhava fixamente para a minha cabeça, comentei com a minha mulher: "Aquela está a abusar de mim!"

Recebi o melhor convite do século para pinar. Dizia assim: "Preciso do teu caralho! Não, não quero o teu caralho, porque queremos sempre qualquer coisinha na vida e o teu caralho  não é qualquer coisinha. A verdade é que PRECISO do teu caralho!"

Gosto de foder a boca de uma gaja que só diz disparates. É uma questão de equilíbrio: enfio mel onde sai merda. Já nas gajas que não dizem disparates enfio mel onde verdadeiramente sai merda: no cu.

Há uns dias dei uma valente trancada numa professora universitária. É feia como os trovões, não tem ponta por onde se lhe pegue, mas fez-me explodir enquanto me explicava a alegoria da caverna de Platão. Ainda com o pau enfiado no traseiro, sussurrou: "Se eu soubesse que apanhar no cu era tão bom..." Terminei a frase por ela: "Terias mandado Platão apanhar na caverna?"

A sôtora não ficou satisfeita. E como é uma gaja do norte, pediu-me para a encostar contra a parede e dar-lhe com o navo na cuona.

Quero que sejas a mão à volta da minha garganta

Como a minha mãe diria, fez olhos de carneiro mal morto. Como quem pedincha misericórdia. Como que a clamar por pau firme. Como que a mendigar por foda feia. Como que a implorar por queca grosseira.


Disse-me ela à entrada do motel: "Quero que sejas a mão à volta da minha garganta. Quero que sejas a voz de comando no meu ouvido." Não era uma reivindicação. Não. Era súplica. Não se notava qualquer ponto de exclamação no fim de cada frase. Toda ela tremia de medo. Não estava certa de que estava a dizer a coisa certa. Parecia que tinha ensaiado a coisa antes do encontro. Parecia coisa sacada de uma novela manhosa.

Não fui capaz. Não sou capaz. Não sou uma besta. Sou bestial, sim, e nunca percebi porque é que não há mais mulheres a fazer fila à porta do meu quarto. Sim, gosto de comer cona. Sim, sou bom a comer cona. Mas não gosto desta espécie de prece. Tiram-me a tusa. Do que eu gosto verdadeiramente é da sensação de que aquela berlaitada será a melhor de sempre.

Esta não foi a melhor de sempre. Mas foi a melhor da semana. E não foi preciso agarrá-la pelo pescoço.

Conversas da sarjeta #13

- Hoje quero portar-me mal.
- Com quem? Comigo ou com ele?
- Com os dois.
- És uma coninhas. Não aguentas com dois caralhos dentro de ti. É apenas uma gaja que precisa de ser fodida como deve ser, não és?
- Deixa-me em paz! Juro que sou uma boa menina.
- Cala-te! Despe-te a abre as pernas. Badalhocas como tu só servem para chupar paus.
- Foda-se! És um sacana. Abusem de mim! Fodam-me à bruta!
- Vais apanhar com duas pichas duras nessa cara. É o que acontece quando tipas como tu gostam de provocar.
- És tão mau!
- Mau demais?
- Nunca! Uma delícia!

Hoje é dia de dar coça ao coiso ou coisa #28

É traição se apenas a observasse a coçá-la? Talvez não. E se batesse uma enquanto ela se masturbava? Já estaremos perto da coisa... E se me viesse nas mamas dela enquanto ela pingava nas cuecas?

Eros dixit #27

Debruço-me sobre a mesa. Queres?

"Sabes, se quisesses, eu podia debruçar-me sobre esta mesa para me comeres por trás... Aliás, é exactamente isso que eu quero que faças. Agora!" Foi assim que ela decidiu quebrar o silêncio que se tinha instalado depois de termos pedido Borscht, Blini e Goluptsi. Vodka para acompanhar: Moskovskaya bem geladinha. O restaurante não tem graça nenhuma e a comida demora a chegar. Toco-lhe no joelho. Só porque não há nada para dizer. Percebo que ela cora. Só porque não há mais nada para fazer. Começo a desenhar pequenos círculos com o dedo. Apenas isso: círculos sobre uns jeans gastos. Ela morde o lábio, como que a dizer-me para continuar. Não quero tocar-lhe em mais lado nenhum. Apenas no joelho. Não quero desenhar mais nada: apenas pequenos círculos. Não consigo parar. É como se estivesse a fazer fogo num local onde ninguém tem lume. Ela agarra-se à mesa com toda a força. Parece gozar. Será possível? Levei-a ao orgasmo com um único dedo? Ela insiste: "É só dizeres que me queres foder nesta mesa que eu baixo as calças e debruço-me." Mais tarde. Agora chegou a comida.

Hoje é dia de dar coça ao coiso ou coisa #27

Contou-me a Vera que ouviu gemidos no apartamento vizinho: "Sim, sim, sim, estou quase a vir-me!" Ficou zangada. Tão zangada que se sentou no sofá com a cona dorida e os dedos molhados de tanta tesão. No entanto, tinha-me prometido que, por mais desesperada que estivesse, só se masturbaria quando eu chegasse...

Curtas da semana #7

Dou lições a quem quer fazer broches como deve ser. Não, não dou, porque não tenho paciência para ensinar quem não tem jeito para a coisa. Mas pensei num negócio destes enquanto a funcionária da junta de freguesia andava às voltas com o meu pau.

Era tão má, tão má que, no final, teve que usar papel timbrado para limpar a porra que pingou na secretária.

Voltei à junta no dia seguinte para tirar a prova dos nove. Foi um trinta-e-um. Tinha a cona tão apertadinha que pensei que ia ficar com o caralho ali preso para sempre.

Fui à reunião de pais na escola. Era tarde, o sol já se punha, talvez estivesse com uns copos a mais, mas tenho a sensação que a professora de inglês das crianças estava no parque de estacionamento a coçar-se...


Dei-lhe uma coça no dia seguinte. Usei uma meia-verdade: "Acho que a minha filha tem uma desordem linguística." Ela ficou interessada, marcou uma reunião para o fim do dia e acabámos enrolados na sala de estudo. Disse-lhe enquanto ela limpava a boca: “You are a filthy little slut, and I think I wanna fuck you again tomorrow." Sorriu feita tonta e respondeu: "Amanhã queres o quê, caralho?"

Eros dixit #26

Conversas da sarjeta #12

- Achas que seria uma cena gay se os teus amigos te comprassem viagra?
- Espera, tenho uma pergunta muito melhor. Preparada? Adivinha: o que é que é duro e comprido e está quase, quase a entrar-te pelo cu?
- É gay ou não?
- Não é nada gay. É apenas tolo. Repara como não preciso de comprimidos. Põe-te à janela, abre bem essas pernas e descreve o que vês.
- Vejo uma miúda a passear o cã... Caralho!!!!! A passear o cão... Foda-se! Vais mesmo foder-me à canzana à frente dos meus vizinhos todos?

Hoje é dia de dar coça ao coiso ou coisa #26

Nos dias fodidos, se não tens muito que foder, fode muito o que tens. Numa foda que não existe, usa a imaginação: manda foder o que não estás a foder.

O que escondes sob a saia?

Não sei se lhe mande a mensagem...

"Quero uma foto tua! Uma foto daquilo que os outros tipos vêem quando sobes aquela escadaria alta, com a tua saia de ganga com um enorme racha atrás. Sei que eles vêem as tuas coxas largas, a tua pele sedosa, a tua cona empapada. Sei que eles te imaginam nua numa esquina qualquer. Sei que eles gostavam de ter o caralho duro entre as tuas pernas. É essa a foto que eu quero!"

É isto, exactamente isto, só isto, que eu quero dela. Nem mais nem menos. Só falta carregar no send... Envio? Ou ela vai mandar-me passear? Pior: vai contar à minha mulher... Ah, a sacana! Espera... Recebi uma mensagem dela...

Eros dixit #25

Hoje é dia de dar coça ao coiso ou coisa #25

- Já não consigo pôr mais na boca.
- Consegues, consegues.
- Não te atrevas a dizer-me quanto pau é que consigo pôr na boca. Além disso, avisaste-me que era maior do que a média.
- Chega de conversa. Pára de chupar e abre as pernas. Quero esfregar-te esse clítoris!

Curtas da semana #6

Esta semana não comi ninguém.

Não comi ninguém excepto a rapariguinha do shopping que teve a lata de me perguntar: "O seu tamanho é M?" Imaginem, éme... Dei-lhe com o XXL naquele grelo empapado e larguei-a na esquina mais próxima. É uma tonta, por isso não conta.

Não comi ninguém excepto a amazona que conheci na festa da agonia. Mas essa não vale, porque só queria colinho. Colinho e uma boa cavalgada.


Não comi ninguém excepto a Maria, que é empregada da tia Cila. Apanhei-a a limpar a casa de banho e mamou-me o pau que foi uma limpeza. Será que essa vale? É que não parou de me chamar menino enquanto lhe papava aquela passarinha apertadinha. "O menino não pode fazer isso", sussurrava.

Ou seja, comer, comi. Mas não gostei do que comi.

Eros dixit #24

Conversas da sarjeta #11

- Onde estás?
- Estou quase...
- Quase?!
- Quase a vir-me!
- O que é que foi isso?
- Isto sou eu a rasgar-te a cona com toda a força da minha picha.
- Não sinto um caralho.
- Falta-te imaginação.
- Hoje deu-te para isso? Mal falas comigo, nunca me deste uma queca e agora atiras-te a mim com essa pujança toda? É porque ando a foder com o teu irmão?



Hoje é dia de dar coça ao coiso ou coisa #24

Se não se coisa, coça-se. Uma contra a outra. Porque dar uma não tem necessariamente que significar dar uma berlaitada.

Rapidinha sobre a mulher do presidente da junta

A cinquentona-que-se-recusa-a-envelhecer deu uma festa e convidou tudo o que é gente na aldeia inclusivamente o presidente da junta apesar de o odiar de morte que tem 3 porsches e gosta de papar tudo o que é mulher casada especialmente as feias mais feias do que a sua própria mulher que é uma febra do caralho e desatou a chamar-lhe filho da puta que gosta de mamar em cabritinhas e nem imagina os pares de cornos que tem na cabeça mas a meio da gritaria o presidente mandou-a pinar para outra freguesia e garantiu que tem 30 cadelas a querer lamber-lhe o osso apesar de andar com uma atravessada que o acusa de maricas em tudo o que é rede social só porque também dá cambalhotas com outro candidato à junta e não é que a mulher do presidente gritou que só gosta da dita dura e que ele não passa de um mole por isso virou a peida à confusão segredou-me o seu número de telefone que começa com 91 e termina com "quero sufocar-te a picha enquanto me fodes o cu".

Eros dixit #23

Hoje é dia de dar coça ao coiso ou coisa #23

Há dias em que me apetece esbofeteá-la com o caralho duro que nem um pinheiro e deixá-la com cara de pau. Desta vez, fiquei simplesmente a vê-la masturbar-se. Deixou-me de queixo caído. E com o baixo ventre aos saltos.

Curtas da semana #5

Comi 2 tipos de cona: uma pachacha quente e uma pachacha tonta. A primeira pinou feita coelha, a segunda não sabia pinar.

A pachacha quente é rata requentada. Como-a de vez em quando e sabe-me como o vinho do Porto: quanto mais velha, melhor. É uma quarentona vintage, que é muito melhor do que zurrapa da nova.


A pachacha tonta é grelo que grita ao primeiro centímetro de pau que lhe entra pela cona acima. Não aguenta uma pinocada. Fica-se pela meia dose.

Despachei a tonta à tolada. Peço desculpa aos mais sensíveis, mas não sou gajo para me ficar pela metade.

Já a quente fez desaparecer a minha picha naquele pachacha num movimento poético. Vim-me com um gigantesco repuxo de porra, que ela sorveu até à última gota.

Afinal o Zé é manso


Conheci o Zé da Idalina, o capitão da GNR que passa o dia à porta da mercearia. Percebi que morre de medo que a namorada lhe ponha os palitos. Coitado do cornudo... Paguei-lhe uns copos e não demorou até soltar a língua.
- O que é que um gajo precisa para ser feliz? De um gaja que lhe diga "lindo menino" quando se esporra na mamas dela. Achas que sou um manso?
Engoli em seco.
- O que interessa o que eu acho? Aposto que gostas que ela te salte em cima...
- Foda-se, ca'bom! Depois deste copo, vamos às putas. Até nos pagam para as fodermos sem serem multadas.

Conversas da sarjeta #10

- E ele disse-me: "Estás a ver?" Respondi-lhe: "Estou a ver o quê, caralho?"
- Mas com sotaque do norte, certo? É que cá por cima um gajo usa palavrões como se fossem vírgulas.
- Foda-se! Não me conheces?
- Sempre me questionei: o sexo tem etiqueta?
- Claro que tem! Se não tivesse, era a puta da anarquia.
- Não percebo...
- No outro dia, por exemplo, estava a pinar com um gajo na cama dos pais dele. Tinha uma picha de merda, mas, como sabes, dou valor a um tipo que sabe usar o que tem... De repente, entra a mãe dele. Não revirou os olhos, nem sequer fez perguntas. Dirigiu-se calmamente à mesinha de maquilhagem, pôs rímel, eyeliner, tudo e mais um par de botas, como se não estívéssemos ali. Não está escrito, mas é da etiqueta: ignora a foda alheia.
- E fizeram alguma coisa?
- Foi do caralho! Apertei-o entre as minhas pernas, agarrei o edredon e enrolei-o como se fosse sushi. Ele fez-me vir só com os dedos a apertar-me o clítoris e eu fiz-lhe a vida negra, com o indicador enfiado no cu.

Hoje é dia de dar coça ao coiso ou coisa #22


Ela manteve-se em silêncio no cinema, mesmo quando enfiei a mão sob a saia dela. Não disse uma palavra quando lhe toquei a cona através das cuecas de algodão. Manteve-se em silêncio quando finalmente puxei aquele pequeno pedaço de pano para o lado. Já em casa, relembrei aquele encontro ocasional...

Eros dixit #22

É nisto que eu sou boa

Adora provocar-me. Eu percebo-a. Com umas mamas assim, até eu teria essa tentação. É irresistível. A imagem, desta vez, veio com texto.


"Parei de tocar-me apenas para envolver o caralho dele com os meus lábios. Mais uma vez. Pela terceira vez. Arranhei-lhe as coxas com as unhas, provoquei-o com os dentes e, durante longos minutos, segurei-lhe o coiso na boca, enquanto os meus dedos fizeram o trabalho todo. Veio-se imediatamente. Esfreguei-lhe a picha a pingar na minha barriga, como se fosse uma tela. Lambi os lábios, beijei-o e sorri. Agradeceu-me quando, finalmente, recuperou a voz. Foi bom, respondi-lhe. É a única coisa em que sou verdadeiramente boa, expliquei. Virei as costas e pensei em ti. Eras tu que eu queria lamber."

Hoje é dia de dar coça ao coiso ou coisa #21

É nova e está sempre com fome. Depois de um flirt que mais parecia literatura de cordel, descobriu um profundo desejo de me agradar. Agora, quer dar-me o que eu quero. Precisamente o que eu quero. Exactamente quando eu quiser. Foi assim que começou a tocar-se: "Dás-me autorização para me vir?"

Curtas da semana #4

Esta teve o descaramento de dizer que eu não estava a fazer um bom trabalho. Respondi-lhe que não pinava a la carte. Para isso tinha que contratar um profissional. Era à minha maneira ou não era de maneira nenhuma.

Tinha o rabo em forma de coração. Senti tanto amor pelo pacote que, ao esporrar-me, desenhei a seta de cupido.


Acordei às 3 da manhã com o tesão do mijo. Fiquei tão feliz com o tamanho do berimbau que tive que lhe agradecer em forma de punheta. Afinal, é uma forma de renovar a porra e na manhã seguinte tinha uma estagiária de primeira classe para papar. Não podia dar-lhe leite fora de validade...

A estagiária desfez-se em orgasmos múltiplos. Guinchou de tal forma que tive medo que me arrancasse a picha. Ainda sugeriu levá-lo para casa para brincar com ele sempre que quisesse.

Conheci a moça que está a deixar a aldeia em polvorosa. É burra que nem uma porta, mas tem porte de amazona e uma prateleira de arrancar olhos. É uma abrólhosdocaralho.

Pinar é poder

Tudo no mundo é sobre sexo excepto o sexo. O sexo é sobre poder. É um disparate, não é? Foi exactamente isso que eu pensei quando a gaja soltou esta frase. Pinar é sobre autoridade. Cumcaralho! Dar uma trancada é sobre dominação. Esta fanfarronice a la 40 sombras do ricaço-com-a-mania-que-sabe-dar-uns-tautaus já enjoa. Disse-lhe das boas: "Daqui a pouco vais explicar-me que me conheces de uma vida passada e que andas com os chakras desalinhados..." Escusado será dizer que me mandou dar uma volta ao bilhar grande, levou a bilha dali para fora e eu fiquei sozinho a jogar bilhar de bolso.


Lembrei-me mais tarde de um episódio que tem alguma relação com este casamento entre o sexo e o poder. Andava na faculdade, passava os dias na boa-vai-ela, a beber copos e a sacar ratas. Quantas mais melhor. Acabei a noite numa casa que não conhecia, com a gaita morta de fome e 2 gajas mortinhas por apanhar com a verga esfaimada. Fiz-me de parvo...

- Então meninas, estão prontas?
- Prontas para quê?
- Prontas para saber quem consegue vir-se primeiro e, portanto, quem vai ser fodida hoje e quem vai ficar a chuchar no dedo.
- Só podes estar a gozar.
- É simples. Vão sentar-se no sofá, a olhar uma para a outra, enquanto se masturbam. A primeira a vir-se tem direito a pau. A outra... A outra logo decido o que fazer com ela.
Infelizmente, ganhou a mais feia. A outra, que tinha pernas que nunca mais acabavam, amuou e só desemburrou no dia seguinte, quando a papei à canzana, enquanto a feia lhe lambia a cona.

Conversas da sarjeta #9

- Sabes porque é que fodemos? Fodemos porque estamos fodidos. Sentimos-nos fodidos. Com raiva. Sujos. Percebes o que estou a dizer? Ui... Dói!
- Não percebo a ponta de um corno.
- Desculpa querido. Queres que fale um pouquinho mais devagar? Compreensão não é propriamente o teu forte. Dói, caralho!
- Já a ironia é claramente o teu forte. A ironia e este cuzinho de levantar mortos.
- Idiota! Foda-se, continua a doer!
- As coleguinhas do trabalho acham que és uma oferecida, é isso chérie?
- Sou promíscua porque me sinto incompreendida. Dá para perceber? Por favor diz-me que percebes... Cumcaralho, dói que se farta!
- Cala-te um bocadinho! Só o suficiente para te papar esse cu como deve ser. Ainda não entrou nem metade e já te dói?
- Não aguento mais! Puta que pariu!
- Aguentas tudo chérie. Pensa nas beatas do teu trabalho de merda que te deixam fodida. Sente a raiva. Linda menina.

Hoje é dia de dar coça ao coiso ou coisa #20

Estava intrigado: "Então, quando é que te fodo?" Sorriu e respondeu, num sussuro: "Quando quiseres!" Linda menina, pensei. Ajoelhei-me junto dela e saquei do caralho. Estava assim havia horas. Aliás, acordei assim: duro como um cepo. Precisava de deitar tudo cá para fora.

Eros dixit #21

Blogger convidado #2 - Recebo-te dentro de mim


Vou abraçar com as minhas mãos 
Esse caralho latejante 
Perdido e descontrolado 
Neste desejo escaldante 
Entre as minhas pernas mora 
O pedaço de carne que desejas 
Entre a urgência que não se quer demora 
E a cama onde me deitas 
De corpo inquieto 
E em gemido constante 
Recebo-te dentro de mim 
Já com ele vibrante 
Agarras-me os cabelos 
E fodes-me como um louco
Neste pedaço de céu 
Que é o teu no meu corpo 
Suplico entre um grito e o teu nome 
Que te escorras sobre mim 
Me revires as entranhas 
E me faças vir assim.

Hoje é dia de dar coça ao coiso ou coisa #20

Todos os domingos é um gajo diferente. Há 15 dias era um tipo estranho, de cabelo roxo, que serve pipocas e cachorros-quentes no cinema. A semana passada foi um personal trainer bronzeadíssimo do ginásio dela. Esta semana? Esta semana foi diferente. Uma mulher. Pernas que nunca mais acabam, cabelos compridos, mamas pequenas... Foi o seu melhor orgasmo de sempre.

Curtas da semana #3

Voltei a beber. Fodo menos, mas fodo melhor. Provavelmente o álcool sobe-me à cabeça do mastro.

A menina do super disse-me que sou uma jóia de moço. Não me conhece de lado nenhum, mas deve ter ficado excitada pela forma como me viu pegar na linguiça. Expliquei-lhe: ´"É só para dar sabor às favas." Quando virou costas, percebi que tinha perdido um pacote de primeira.

Na caixa do super, quis passar à frente de uma quarentona com maquilhagem-que-deus-me-valha. "É só uma linguiça", pedinchei. Não tive sorte. Deu-me para trás. E nem pediu que lhe desse por trás. Que triste vida a minha.

Foi bonito o que a farmacêutica me disse: "Eu trato-lhe da tosse!" Imagino que a Ordem dos ditos, os farmacêuticos, não permitem que ela se envolva com os clientes. Mas como pertenço à Ordem dos sacanas, decidi tentar a sorte. Arranjou-me uma pomada para um fungo que, na verdade, não apanhei na ponta da picha. É ferida de guerra, justifiquei-me. Com um sorriso maroto, aconselhou-me a ser visto por um especialista. Perguntei-lhe: "A menina faz serviço ao domicílio?"


Repeti a cona do dia anterior. Tive a sensação de havia mais qualquer coisinha para esmiuçar naquele entrefolhos. Escarafunchei-a de tal forma que percebi que os guinchos dela deixam-me saudosista. Fazem lembrar a matança do porco.

Eros dixit #20

Vem-te só mais uma vez

A cona pinga por todos os poros. Aperta-me o caralho com aquela intensidade de quem está a foder como se fosse a última vez. Os dedos dela deslizam entre a porra e o mel, ansiosos por encontrar, entre os seus lábios vaginais inchados, a pressão que ela precisa no clítoris. Estamos ensopados. Ela por dentro, eu por fora. Perdi a noção do número de vezes que nos viemos. Ela pede-me mais. Apenas mais uma vez. Enrola as pernas à minha cintura e agarra-me com força. Alça as ancas e inclina a pélvis para que a penetre mais fundo. Estou com o pau a latejar de tanta tesão.


“Só mais uma. Vem-te só mais uma vez”, volta a pedir-me. Sinto as coxas dela a tremer. O seu corpo parece ter entrado em choque, enquanto me puxa violentamente contra ela. Não se trata apenas de uma rata. É uma espécie de sanguessuga, que me aperta a cabeça do pau e usurpa cada gota do meu leite. Não aguento mais. Venho-me, novamente, em jatos quentes, que atingem violentamente o colo do útero. Mantenho-me dentro dela e sorrio ao sentir toda aquela inundação indolor. Sinto-me flutuar. Entro numa forma de dormência de quem parece ter tomado ácidos.

Volto à realidade e imploro rendição. Sussurro: “Fizemos muita porcaria!” Ela sorri, passa a mão pelo meu cabelo ensopado em suor, beija-me na face e, com voz de menina bem-comportada, responde: “Alguém tem que limpar isto.”

Hoje é dia de dar coça ao coiso ou coisa #19

Disse-me ela: "Estou a pensar quão desesperada estou por te satisfazer de novo. Deixar o teu caralho satisfeito. Estou a pensar como tu me fazes vir. Como controlas os meus orgasmos. Orgasmos para ti."

Eros dixit #19