31 julho 2017

O que ela cresceu

Passei uns dias fora, sem acesso a coisa nenhuma. Sem telefone, TV ou internet. Apenas uma cona e uma cabana. A Madalena é filha de velhos amigos meus. Trabalho com o pai e, de vez em quando, papo a mãe, mas nunca me tinha passado pela cabeça comer esta moça de 25 anos...

A coisa começou com uma foto e uma troca de mensagens:


- Gostas da camisa?
- É... é... enfim... é gira. Porquê?
- É do meu pai. E gostas do sutiã? É da minha mãe.

Em breve, conto-vos tudo, mas agora tenho que dar descanso ao caralho.

28 julho 2017

Conversas da sarjeta #19


- Que nome dás à tua cona?
- Patareca.
- Isso parece uma gaja de Cascais. Tens alguma coisa contra nomes vulgares, como xana, chona, rata, pipi, pito, crica ou grelo?
- Não sejas infantil.
- Quer dizer que levas na patareca e não apanhas na rata?
- Agora estás a ser ordinário.
- O que provavelmente não sabes é que gosto de comer patarecas petulantes.
- A patareca não gosta de caralhos convencidos!

27 julho 2017

25 julho 2017

Cantigas do bandido #2

Já devem ter percebido: para mim, cada cona tem o seu encanto. Acredito que têm algo de especial e, por isso, quero conhecê-las a todas. O que provavelmente não sabem é que não resisto a uma tranca robusta e arrebitada. Assim como a peida da Milu...


Encontrei a criada sozinha,
Pedi-lhe as sobras do peru.
Fez-me festas no nabo e disse:
"Porque não me vem ao cu?"

Fiquei cagado de medo,
Estivesse ela de caganeira.
Toma lá esta pomada
E espalha-a no cu, ó sopeira!

Sacou do pinto e gritou:
"Ai que mata esta sua criada!"
Não tenhas medo moçoila,
É grande mas civilizada.

De volta ao papel de fiel empregada,
Perguntou "ainda quer peru?"
Ó doce e zelosa Milu,
Põe o peru no olho do cu.

A tua mãe tem um segredo

Atrás de mim, ouvi um puto dizer a outro puto:
- Este é o gajo que anda a comer a Suzete.
Não, não ando. Nem sei bem porquê. É uma oferecida, como eu gosto, tem mamas que nunca mais acabam e um ar de badalhoca que deixa qualquer nabo a latejar. Já esgalhei três punhetas por muito menos. Tem, no entanto, peida descaída e nariz dilatado. Agora que penso na penca da tipa, não me importava nada de sentir umas coceguinhas no escroto enquanto me lambia os colhões... E já que estou nessa, também gostava de ensanduichar a picha nas grandes glandes da minha vizinha... Enfim, sou muito esquisito no que diz respeito à venta da serigaita com quem pino. Desculpem, mas não gosto de trambolhos no meio da cara.

Podia ter respondido ao adolescente bexigoso:
- Não ando a comer a Suzete, mas ando a papar a tua mãe.
Podia ter-lhe dito isso e muito mais. Podia ter-lhe contado sobre o dia em que a Eugénia, mãe dele, me fez um broche enquanto ele, o puto agora bexigoso, estava na sala ao lado. Podia ter-lhe contado sobre o dia em que esvaziei as bolas no cu dela e, como ela não se veio, cocei-lhe o clítoris até a deixar esticada de tesão e o reto tão relaxado que soltou um pouco da minha porra. Podia ter-lhe contado sobre o dia em que ela cavalgou o meu caralho com o traseiro e eu enterrei-lhe 2 dedos na crica só porque queria sentir o meu próprio membro afundar-se naquelas entranhas.

Poder, podia, mas não teria tanta graça como contar a cena à Eugénia, que se riu que nem uma perdida e me devolveu o bombom com uma foto da sua nova fatiota.

24 julho 2017

Curtas da semana #13

Conheci uma moça de 20 anos que ainda tem medo do bicho-papão. Conversa puxa conversa, lá a convenci a mostrar-me a pachacha. Saiu-me um papo de cona que nem vos passa pela cabeça. Não passou pela vossa, mas passou pela minha...


Não lhe perguntei se queria apanhar na cona porque não sou ordinário. Sugeri-lhe que enfiasse o meu nabo na rata. Ela gostou tanto da ideia que transformou a foda numa grande javardice. Iam gostar de ver como ela aguentou com o meu jacto de meita morna.

Comi pito rechonchudo. Eram tanto os refegos que lhe perguntei como é que ela enfiava aquilo tudo na cuequinha.

Confirmei a minha teoria: quando uma gorda fode, está apenas a foder. Não há cá angústias nem inquietações. Isso é coisa de mulheres de fraca carne.

Já conheceram alguma gaja que gostasse de cheirar o sovaco? Estive com uma do género. Disse-lhe: "Vem cá abaixo cheirar-me a pentelheira!" Ela lá foi e aproveitou para me sugar os colhões.

23 julho 2017

21 julho 2017

Conversas da sarjeta #18


- Ontem comi cona saloia.
- Cona de Mafra, como o pão?
- Não, cona de Sintra, como as queijadas.
- E como foi?
- Fiquei baralhado. De repente, não sabia se estava a papá-la à canzana ou se a gaja estava a fazer-me um broche.
- ...
- Estava mesmo a mamar-me o caralho. Mas não parecia... É que ela tinha cara de cu.

20 julho 2017

Cantigas do bandido #1

Como já perceberam, sou um homem pouco sensível. Cada foda que dou, cai no esquecimento. Não me culpem. É o cérebro, esse cabrão, que negligencia belíssimas trancadas, mas lembra-se de merdas que não interessam para nada.


No outro dia, dei traulitada tal que ela se anichou junto ao meu peito e sussurrou palavras de amor. Não me lembro de um caralho do que ela disse. Virei-me para o lado e adormeci. Juro que, durante o sono, pareceu-me que ela cantava o seguinte poema:

Vá lá, acorda meu pulha,
Tenho a passarinha tristonha.
Sei que me desenrasco sozinha,
Mas falta-me a tua langonha.

Dá-te por feliz meu sacana
Por teres apetite tão voraz.
Não digo o mesmo do outro,
que só come o que é capaz.

Dorme, dorme meu bandido,
Queria o outro ser como tu.
Esse a mim já não me toca,
Vou mandá-lo apanhar no cu.

19 julho 2017

Foda-se, adoro o Verão!

[continuação...]

Onde é que eu ía? Isso, em casa da Elsa, com o caralho estrangulado pelo buraco onde já tinham estado os meus dedos. Fodi aquele cu como ele merece...


Não queria que ela se viesse imediatamente, mas, para isso, tive que lhe agarrar as mãos e impedi-la de esfregar o clítoris. Ela bem implorou. Inclinou-se um pouco mais sobre o varandim e fechou os olhos, enquanto a fodia mais rápido do que pensava possível. Não conseguia pensar em mais nada, a não ser naquele traseiro apertadinho.

Fico fascinado sempre que a Elsa se vem. Nunca estou à espera. Nem sequer estou preparado. De repente, o corpo dela começou a tremer. Gritou que nem uma perdida, mas não abrandei as estocadas até eu explodir também. Nunca demora muito. Aliás, é impossível lutar contra a coisa quando estou com tusa assim.

Quando ambos parámos de nos contorcer, mantive a verga dentro dela, só pelo prazer de sentir a minha própria porra escorrer. Quando finalmente saiu, fez um "pop", como se tivesse retirado a rolha de uma garrafa de lambrusco. Beijei-lhe o pescoço e tentei não me rir. Ela virou-se, sorriu, beijou-me na boca e sussurrou: "Foda-se, adoro o Verão!"

17 julho 2017

16 julho 2017

Curtas da semana #12

Já pinaram de pernas para o ar? Não, não estou a falar de missionário invertido, que é apenas o avesso da posição de missionário. Não é só a gaja em cima do gajo ou o gajo atrás da gaja ou mesmo a gaja a foder o gajo ou a gaja com as pernas nos ombros do gajo... Não é nada disso! Não estou a falar das posições do kama sutra com nomes estranhos como sapo ou equilibrista ou arco do triunfo ou sofá-cama ou espreguiçadeira... Népias! É literal. É mesmo de pernas para o ar. Como se a gravidade estivesse avariada, à espera de manutenção. Não? Eu também não. Mas sonhei com a coisa.


Voltando à vida real...

Fartei-me de enfiar a sarda numa sardenta que, pasme-se, vai passar uns dias de férias na Sardenha. Não valeu o esforço. Era muita lenha e pouco fogo. O raio da chavala não valia uma chavelho.

A empregada de mesa perguntou-me se queria o prato do dia. Respondi-lhe, olhos postos no mamalhal, que passava directamente à fruta do dia. No dia seguinte, a pobre pequena passou um bom bocado com a mão na fruta.

Há festa rija em todas as freguesias da vizinhança. As gajas começam a descascar-se e eu começo a enfrascar-me. Já sei, por experiência, que é uma péssima altura para fornicar. Sai-nos cada gaja mal-amanhada... Há uns dias, fui papado numa esquina por um trambolho que gemia como um animal. Já ontem comi uma cona que mais parecia manteiga: derretia-se na boca.

15 julho 2017

14 julho 2017

Regueifa de Verão

- O que é comprido e duro e está prestes a entrar no meu cu?
Nunca me tinham convidado para foder desta forma. O facto é que esta adivinha deixou-me com um tesão desgraçado. Empurrei-a contra o varandim, levantei-lhe a saia e agarrei-lhe a mão para sentir o marsapo enrijecer. Ela virou a cabeça e beijou-me na bochecha. É sempre assim: quando quer que lhe vá à regueifa, dá-me um beijo na face. Já quando quer que lhe lamba a cona, dá-me linguados que nunca mais acabam.


Abriu as pernas um pouco mais, como que a pedir-me que lhe trabalhasse o traseiro com os dedos. Foi o que fiz. Fui enfiando lentamente o indicador lubrificado naquele ânus e pouco depois adicionei o dedo médio à festa, como que a avisá-la sobre o que estava para acontecer. Com a outra mão, desabotoei a braguilha, já a Elsa gemia. Começa sempre com uns gemidinhos quase silenciosos, mas sabe que só vou parar quando estiver aos berros. Encostei o caralho às coxas dela e esfreguei-o contra a pachacha encharcada. Deixou de gemer quando retirei os dedos e passou a implorar. Fez aquele ar sério e zangado que me deixa o pau pingão.

Levantei-lhe o vestido até à curvatura das costas e, com a outra mão, apoiei o mangalho, apontando-o à entrada daquele orifício guloso. Sustém a respiração assim que entro nela e tenta relaxar, mas, como sabem, a coisa dá sempre trabalho. É preciso paciência. Tenho que a segurar com algum vigor e deixá-la enterrá-lo, ao seu próprio ritmo. Já totalmente dentro dela, a história é outra.

[continua...]

13 julho 2017

Conversas da sarjeta #17

- Disse ao meu marido que um gajo comeu-me por trás.
- E comeu?
- Disse-lhe que fui forçada por um vendedor de carros.
- E foste?
- O meu marido adora a ideia de outros homens quase a violentar-me. Desde que admita que eu também queria. Seja como for, disse-lhe que o tipo enfiou-me num carro, pôs-me de quatro e fodeu-me o cu até se vir dentro de mim.
- O teu marido passou-se, não?
- Tinhas que ver como esta história o fez esporrar.

11 julho 2017

10 julho 2017

Curtas da semana #11

Esta foi uma semana duracell. Decidi ligar pouco ao entrefolhos e comer gajas só pelo prazer de olhar para o que lhes vai entre as orelhas. Nada me dá mais tusa do que ver o tesão estampado na cara. Resultado? Três fodas que duraram, duraram, duraram...


foda #1. A cara de fome. Cacei uma cota que já não dava uso à coisa há 2 anos. Mais coisa menos coisa. Enfiei-lhe o coiso entre as coxas, mas ela estava tão enferrujada que, nas primeiras horas, andei a fodê-la com uma pontinha da picha de fora.

foda #2. A cara de gozo. Desta vez, saiu-me uma tonta. Não dizia uma para a caixa. Tinha, no entanto, uma senhora pachacha. Apertadinha como há muito não papava. Só ao fim de uma mão-cheia de orgasmos é que finalmente relaxou. De tal forma que parecia que o mangalho ía cair em papo roto.

foda #3. A cara de pau. Esta queria mamar à viva força. Disse-lhe que não, que não estava para aí virado, mas tive que lhe dar com o caralho na cara para ela ver quem é que manda. O pior ainda estava para vir: demorou 60 minutos para se esvair em nhanha. Depois, ui, depois já não queria outra coisa.

07 julho 2017

06 julho 2017

A nova rapariga do café e suas 2 meninas

A aldeia esteve de luto. Ou antes, os homens da aldeia andaram uns dias de pirilau triste. Já as mulheres parece que recuperaram a alegria no grelo. A Marlene, que era a rapariga feia e boa do café, foi servir malgas de verde para outra freguesia. Foi, segundo ela, agarrar gente fina pelos tomates. O mesmo é dizer que se tornou criada interna de uma família burguesa. Nos tempos livres, no entanto, continua a dar bom uso ao pincel deste vosso amigo. Ou seja, deixou de dar-me de beber e passou a dar-me de comer.

O café, entretanto, tem safardana nova. E a substituta da Marlene saiu melhor do que a encomenda. A Eva é uma oferecida com um palminho de cara, prateleira de arrebitar o pau mais teimoso e um traseiro arrebitadíssimo. Tem um senão: usa pestanas falsas, o que lhe dá um ar reles. Nada que não se resolva com umas aulas bom gosto e um par de dedos enfiados na cona. Aliás, ela está a pedi-las. Ao segundo dia, quase que enfiou as mamas na câmara do meu telemóvel.


Não há nabo que resista. Mas claro que este caralho que vos escreve não é menino para se contentar só com par de meninas. Por mais encantadoras que elas sejam...

Conversas da sarjeta #16


- Fui ao médico. Parece que posso fumar e papar gajas, mas não posso beber nem papar porco.
- Não te preocupes, tu és rijo!
- Rijo e duro.
- Já nem me lembro...
- Queres recordar-te, é?
- Só sei trabalhar.
- Também sabes pinar.
- Também não me lembro.
- Tenho que tratar disso.
- Treta.
- Treta?!?
- Ups. Este corrector automático não quer mesmo que eu dê uma foda... Queria dizer trata e não treta.

05 julho 2017

04 julho 2017

Hoje é dia de dar coça ao coiso ou coisa #33

Esta contou-me um amigo: "Já estive com uma que cronometrava a foda. Passava 15 minutos a masturbar-se, 15 minutos a mamar, 15 minutos a cavalgar, 15 minutos a levar na peida e os últimos 15 minutos a guinchar enquanto se vinha." O que será que faziam o resto da noite? Jogavam xadrez?

03 julho 2017

Trata-me como um urso de peluche

Estou a senti-me passivo ultimamente. Podem achar que estou a fazer-me passar por fraco, que é tudo falso e que o papel de manso atrai gajas, mas na verdade só me apetece admirar a cona da Idalina. Não, a cona não. Desculpem. Quero ver aquele rabo reluzente, empinadíssimo, guloso...

Não, não quero ver-te nua. Por favor, não te atrevas a tirar a roupa. Provoca-me. Abre as pernas só para me dizer que me queres. Mas não mostres o sexo. Por favor. Faz-me passar fome. Mantém-me preso a ti. Trata-me como se fosse o teu brinquedo. Como se fosse o teu ursinho de peluche...

02 julho 2017

Curtas da semana #10

Esta pediu-me para lhe dar "beijinhos na ratinha", que foi uma forma fofinha de exigir um minete antes que lhe enfiasse o nabo no grelo.

Percebi imediatamente que aquela cona anda de boca em boca, mas não sou gajo para desprezar pachacha lassa. Usei a ponta da língua para aconchegar as bordas e usei a ponta da picha para aplaudir o bom trabalho do clítoris.


Vim-me de tal forma que mais parecia um vulcão de nhanha. A moça, bem educada, usou a língua como esfregona e a boca como se fosse um balde.

Não foi tão boa como a lisboeta que conheci a semana passada. É que esta só parou de mamar até fazer espuma. Tem vício de boca.

Quis agradecer-lhe a mamada com uma pranchada terna, mas ela não deixou. Gritou comigo: "Queridices não, caralho!" Tive que a comer à canzana até deixar-lhe a bilha dorida.

01 julho 2017