curtas da semana #39


Nos últimos dias deu-me para as fodas fofinhas. Deve ser da lua cheia. Ou então tenho queda para as quecas com sabor a baunilha (que é, como sabem, o gelado mais fofinho da Santini) e não sabia.

Ontem, por exemplo, em vez de papar a vizinha casada com o careca que tem ar de quem não pina há mais de 20 anos, ou seja, a martelar-lhe a cona com um dedo enfiado no cu, enfiei-lhe o dedo na cona e martelei-lhe o cu.

No dia anterior, ao sentir que vinha aí porra, retirei o pau do entrefolhos da barwoman que conheci online e enfiei-o entre as nádegas da moça, para manter o coiso aconchegado e largar a coisa branca num beco sem saída. Expliquei-lhe depois que não queria deixar semente.

Decidi hoje que nunca mais vou dizer caralhadas enquanto dou cambalhotas. Mas só se a foda for boa. Se for uma merda de uma berlaitada, mando-a apanhar no cu. Sei que vai agradecer-me no fim.


No fim de semana passado, enquanto esfregava a sarda no mamalhal da assistente de urologista, disse-lhe que, se lhe salpicasse o cabelo já armado para a missa dominical com um esguicho mal direccionado, podia dar-me uma cotovelada nos colhões. Tive sorte: acertei-lhe na narina direita.
partilha:

6 comentários:

  1. Nossassinhora que tesão! :))

    Beijioos :)

    ResponderEliminar
  2. Desculpe a pergunta: Sendo um homem casado não teme o reflexo do vice-verso?

    A imagem é muito sugestiva
    .
    Desejando um feliz fim de semana.

    ResponderEliminar