16 agosto 2017

Nunca entrou em mim

É perversa a forma como fodemos. Nunca é a pinocada do costume. Nunca! No outro dia, agarrou-me a picha e sentou-se ao meu colo, enfiando-a de uma só vez naquela pachacha pingona. "Agora não te mexas", avisou-me. Começou então a contar-me como foi a sua primeira noite com o noivo...


"Fui ao apartamento dele e começámos a ver um filme. Pôs o braço à minha volta e ficámos assim, calados, durante algum tempo. Era íntimo e inocente ao mesmo tempo. A determinada altura, mexeu a mão e roçou no meu seio. Foi um toque tão ligeiro que pensei que fosse acidental. Não foi. Mexeu o polegar contra o meu peito. Suavemente. Para que soubesse que estava confortável, inclinei-me um pouco mais para ele. Percebeu a dica e passou a tocar-me deliberadamente. Lentamente.

[Fez uma pausa, contraiu os músculos da cona e sorriu. Só para me fazer sofrer...]

Percorreu-me o corpo, para cima e para baixo. Das mamas até às coxas. Às vezes, deslizando os dedos sob a minha camisa. Fazia-o dolorosamente devagar. Queria que me tocasse em todo o lado. Beijei-lhe o pescoço. Gemi, a implorar por mais. Via perfeitamente como estava duro dentro das calças. Eu estava cada vez mais molhada. Não aguentei mais. Tirei a camisa e sentei-me ao colo dele. Beijei-o. Ele enfiou as mãos nas minhas calças e agarrou-me o rabo. Empurrei as ancas contra as dele, para sentir o caralho teso através das nossas roupas.

[Bamboleou o corpo como se fosse uma cascavel com o cio. Estava com o pau tão grande que acho que lhe fazia cócegas no diafragma]

Ele sacou da camisa e desapertou-me o sutiã. Tirámos as calças e acabámos por rebolar para o chão, assim mesmo, de cuecas. Conseguia sentir aquele pau duro contra a minha cona e um calor húmido que se formava nos pedaços de tecido que separavam os nossos sexos. Segredou-me que podia ficar assim a noite toda. Não tinha pressa. Sempre que eu me aproximava do orgasmo, agarrava-me pelas ancas e retardava-o. Eu beijava-o, desesperada. Bastava um pequeno movimento para me fazer vir.

[Beijou-me longamente e fez-me desejar enfiar-lhe o bajolo pela goela adentro e ficar por ali até ela adormecer com o coiso enrolado na boca]

Encostou a testa na minha e disse-me, olhos nos olhos: 'Só mais um bocado. Consegues fazer isso por mim?' Não tinha outro remédio. Sorri. Esfreguei-me contra ele, exasperada. Tudo o que ele queria era que fosse bom para mim como estava a ser para ele. Quando me aproximei de novo do orgasmo, não me deteve. Apenas me beijou. Sentia a torrente de espasmos a aproximar-se. Gritei quando finalmente me vim. Tremia contra ele. Tinha lágrimas nos olhos.

[Já sentia o molho dela a escorrer, como a anunciar uma tempestade vaginal]

Segredou-me: 'És tão boa, querida.' Limpou-me as lágrimas, deixou-me respirar um pouco e perguntou-me se podia terminar. Terminar... Uma forma estranha de descrever a coisa. Concordei. Esfregou-se contra mim umas quantas vezes e veio-se nas cuecas. Sentei-me ao colo dele durante uns minutos, tomámos banho e fizemos o jantar. Passaram 10 meses desde essa noite e o Francisco nunca entrou em mim."

Trincou o lábio e segredou-me ao ouvido: “Agora sim, já podes mexer-te. Quero que me deixes a crica alagada com o teu leitinho quente!”


Agora, se não se importam, vou tirar 2 semanas de férias. Sei que vão passar a correr, mas também vou passá-las a foder. Até já!

10 comentários:

  1. Depois de um tórrido conto destes vais deixar-nos?
    Vais passá-los como? A #ofer? Deve ser a paciência a alguém hehehehehhe (brinco)

    Beijoos
    Boa Férias

    ResponderEliminar
  2. Boas férias amigo António. Dá boas fodas... nem que seja em sonho, lool

    Abraço

    ResponderEliminar
  3. A mierda da primeira noite é que jamais é repetida! Homem só fode bem na primeira vez!!!

    ResponderEliminar
  4. voltei anjinha. a foda é que não tive pachorra para foder paciências. eu é mais pachachas

    ResponderEliminar
  5. tens que escolher melhor os homens chocolícia. experimenta outros exemplares

    ResponderEliminar