não sabe senão foder com raiva


Passei uma belíssima meia hora com o pau na boca da Eva e percebi porque é que as gajas não têm maçã de Adão: é para permitir que o coiso deslize melhor. Passei a meia hora seguinte com o nabo a descansar entre as meninas da nova rapariga do café e imaginei o que diria a moça sobre aquela sessão de garganta funda...

"Há algo de mágico na forma como ele gentilmente segura a minha cabeça com as mãos enquanto força o caralho na minha boca. Adoro este paradoxo: uma parte do seu corpo é capaz do mais terno dos toques, outra parte não sabe senão foder com raiva. Vai sempre longe demais. Os movimentos de penetração não são subtis o suficiente para me impedir de engasgar. Mas adoro quando ele me sufoca. Acho que ele também gosta, mas finge que não gosta. Age como todos os outros tipos.

Vê-se nos olhos dele a presunção de quem tem um pau tão grande e duro que me impede fisicamente de o enfiar todo na garganta.


Veio-se num instante, mas acho que é porque a coisa excita-o em demasia. Basta observar a sua própria picha a escorregar na minha boca e depois sair para voltar a entrar para acabar com ele. Adoro este poder que tenho sobre o homem. Consigo deixá-lo de rastos num abrir e fechar de olhos apenas com a boca. Só isso faz-me sentir poderosa. Ao mesmo tempo impotente e poderosa. É uma combinação estranha e, no entanto, inebriante."
partilha:

2 comentários: