cuspiu, vai ter que apanhar


Não gosto das que cospem. Pronto, já disse. Esta apanhou com a maior esguichadela da semana, com porra pura, branca como cal, morninha como a meia de leite perfeita, sem aqueles espermatozóides trôpegos de quem passou a manhã a bater punhetas. E, no entanto, apesar da limpeza da langonha, deitou tudo cá para fora. Com nojo.

Decidi, por isso, entalar o nabo naquele bordedo balofo e martelá-la como se estivesse a aplicar-lhe um castigo.


Acho sempre fascinante, quase mágica, a forma como o caralho dilata a rata. A pressão que exerce enquanto desliza até esbarrar no colo do útero, centímetro a centímetro, enchendo-a de chicha. É delicioso o modo como a cona se molda à forma do falo, contraindo e expandindo à medida que o coiso escorrega para dentro e para fora.

Esta, apesar de ter cuspido, teve a sorte de sentir a cabeça da picha inchar dentro dela quando o meu orgasmo se aproximava. Apesar de ter escarrado o imaculado líquido do meu saco seminal, teve o prazer de sentir o pau a latejar dentro dentro dela e conservar na cona aquilo que não quis ter na boca: uma imensa carga de porra quente.
podes partilhar:

2 comentários:

  1. Chama-se a isso trapezista sem rede

    Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. mas não fazem de mim palhaço, que há coisas que não se desperdiçam

      Eliminar